Livro ‘Cidades de Pedestres“ propõe a inversão da lógica urbana focada nos carros pela vivência da cidade a pé - São Paulo São

Caminhar é a forma mais democrática de se locomover. Na virada do século XXI, as configurações urbanas em todo o mundo revelam a necessidade de uma transição urgente. As cidades que desprezam o deslocamento a pé, com quadras inteiras sem comércio, com infraestruturas dedicadas ao transporte individual motorizado e socioespacialmente segregadas definem hoje um modelo fracassado. Cada vez mais, a atitude mais revolucionária do cotidiano é, simplesmente, caminhar.

A noção de caminhabilidade – ou walkability, como o conceito vem se afirmando internacionalmente – é o tema central de Cidades de Pedestres – A caminhabilidade no Brasil e no mundo, lançamento da Babilonia Cultura Editorial, com distribuição comercial da Relicário Edições. O livro reúne estudos inéditos de cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Copenhague e Nova York. Com 16 capítulos e 37 autores, o volume é organizado por Victor Andrade, coordenador do Laboratório de Mobilidade Sustentável (LABMOB), vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Urbanismo (PROURB) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e Clarisse Cunha Linke, diretora executiva do Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP Brasil). O lançamento tem apoio do Instituto Clima e Sociedade (ICS) e do Instituto Cultural da Dinamarca, além das organizações Cidade Ativa e Corrida Amiga.

O desenho urbano como fator-chave para qualidade de vida

Cidades de pedestres reúne textos com análises e cases sobre caminhabilidade assinados por reconhecidos especialistas nacionais e internacionais, Janette Sadik Khan. Foto: Squire Magazine.Janette Sadik Khan. Foto: Squire Magazine.Jan Gehl. Foto: Pinterest.Jan Gehl. Foto: Pinterest.técnicos e pesquisadores – incluindo arquitetos, economistas, medicos –, em que o pedestre é o protagonista do espaço público, e a cidade, a expressão de uma efetiva democracia.

O arquiteto e urbanista dinamarquês Jan Gehl, uma das grandes referências mundiais em desenho urbano orientado para pedestres e ciclistas, e Janette Sadik-Khan, que revolucionou a mobilidade urbana de Nova York ao ocupar o cargo de secretária de transportes da cidade, entre 2007 e 2013, atual consultora da Bloomberg Associates e conselheira do ITDP são destaque na obra.

Para Clarisse Cunha Linke, o livro está sendo lançado em um momento em que a sociedade civil organizada está cada vez mais interessada em discutir a democratização dos espaços urbanos. “Esse movimento ganhou força nos últimos anos diante do colapso da qualidade do ambiente urbano em nossas cidades, resultado do uso excessivo do carro como transporte individual”, destaca. “As pessoas precisam se deslocar na cidade com segurança e conforto e, diante do caos na mobilidade das cidades, é o momento de passarmos a tratar a mobilidade a pé como fundamental”, defende Clarisse. 

Redefinição de prioridades na agenda urbana

O debate em torno da qualidade de vida nas cidades contemporâneas e sobre a importância de se pensar e planejar o espaço urbano para o pedestre é um dos mais relevantes e urgentes na agenda mundial hoje.

“Essa é uma realidade que precisa ser enfrentada. Há um cenário que nos desencoraja a andar a pé. Percursos desconfortáveis e inseguros, pouco práticos para o cotidiano, reforçam o padrão de segregação socioespacial intraurbano que é tão característico às cidades brasileiras. É hora de repensar a agenda urbana das cidades a partir de diretrizes mais enfáticas a favor do pedestre”, ressalta Victor Andrade.

Serviço

Lançamento - ‘Cidades de Pedestres – A caminhabilidade no Brasil e no mundo‘.

Rio de Janeiro
Quinta-feira, 14 de setembro de 2017, das 19h às 22h.
Livraria da Travessa | Rua Voluntários da Pátria, 97 - Botafogo.

São Paulo
Quinta-feira, 28 de setembro de 2017, das 19h às 21h30.
Livraria Cultura | Conjunto Nacional - Av. Paulista, 2.073.

***
Com informações de Fábio Nazareth / ITDP.