Retrospectiva de Jean-Michel Basquiat (1960-1988), com 80 obras, chega ao Brasil pela primeira vez - São Paulo São

Pela primeira vez uma exposição de obras de Jean-Michel Basquiat (1960-1988) chega ao Brasil. A retrospectiva com 80 obras do artista que se tornou referência do grafite, da arte de rua e do Neo-Expressionismo terá início em 25 de janeiro no CCBB de São Paulo e depois segue para Brasília, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

O artista americano morreu de overdose em 1988, aos 27 anos, no meio de uma carreira meteórica iniciada com grafites nos muros e vagões do metrô de Nova York. Basquiat despontou para a fama em 1982, quando começou a namorar Louise Veronica Ciccone, que trabalhava como dançarina e garçonete e que pouco depois se tornaria a estrela conhecida como Madonna.

Serão expostos 80 trabalhos de Basquiat, entre telas, desenhos e gravuras selecionados pelo curador Peter Tjabbes, pertencem à família do industrial Mugrabi, de origem síria, radicado nos EUA, um dos maiores colecionadores de Andy Warhol. 

A retrospectiva de Basquiat será a maior exposição do artista no Brasil, realizada no mesmo ano em que Alemanha e França recebem mostras do disputado artista (uma tela sua alcançou US$ 110 milhões num leilão, tornando-se a mais cara obra de arte americana já vendida). 

O artista

A obra de Jean-Michel Basquiat (Nova Yorque, 1960-1988) personifica o caráter de Nova Iorque nos anos 1970 e 1980, uma mistura de empolgação e decadência que criou um paraíso de criatividade. A repetição de letras e de palavras reflete ritmos, sons e a vida na cidade. As figuras poderosas que dominam a cena na obra do artista levam os críticos a classificá-lo como um Neoexpressionista, ao mesmo tempo em que está imerso na cultura pop. Suas pinturas subvertem hierarquias artísticas convencionais ao misturar imagens da cultura erudita e da popular.

Basquiat era um dos poucos afro-americanos num mundo artístico predominantemente branco. Sua obra rapidamente evoluiu de uma evocação das ruas a uma profunda narrativa sobre a experiência de ser negro e as conquistas culturais dos negros.

Basquiat tinha ascendência porto-riquenha por parte de mãe e haitiana por parte de pai. Desde cedo mostrou uma aptidão incomum para a arte e foi influenciado pela mãe, Matilde, a desenhar, pintar e a participar de atividades relacionadas ao mundo artístico. Em 1977, aos 17 anos, Basquiat e um amigo, Al Diaz, começaram a fazer grafite em prédios abandonados em Manhattan. A assinatura era sempre a mesma: "SAMO" ou "SAMO shit" ("same old shit", ou, traduzindo, "sempre a mesma merda").

Em 1978, Basquiat abandonou a escola e saiu de casa, apenas um ano antes de se formar. Mudou-se para a cidade e passou a viver com amigos, sobrevivendo através da venda de camisetas e postais na rua. Um ano depois, em 1979, contudo, Basquiat ganhou um status de celebridade dentro da cena de arte de East Village em Manhattan por suas aparições regulares em um programa televisivo. 

Basquiat em ação no centro de Nova York em 1981. Foto: Edo Bertoglio.Basquiat em ação no centro de Nova York em 1981. Foto: Edo Bertoglio.Basquiat começou a ser mais amplamente reconhecido em junho de 1980 quando participou do The Times Square Show, uma exposição de vários artistas patrocinada por uma instituição de nome "Colab". Em 1981, o poeta, crítico de arte e "provocador cultural" Rene Ricard publicou um artigo em que comentava sobre o artista. Isso ajudou a catapultar de vez a carreira de Basquiat internacionalmente. 

Já em 1982, Basquiat era visto frequentemente na companhia de Julian Schnabel, David Salle e outros curadores, colecionadores e especialistas em arte que seriam conhecidos depois como os "neoexpressionistas". Ele começou a namorar, também, uma cantora desconhecida na época, Madonna. Neste mesmo ano, conheceu Andy Warhol, com quem colaborou ostensivamente e cultivou amizade.

Jean-Michel Basquiat em seu estúdio em Nova York, 1987. Foto: Tseng Kwong Chi.Jean-Michel Basquiat em seu estúdio em Nova York, 1987. Foto: Tseng Kwong Chi.

No dia 10 de fevereiro de 1985, Basquiat foi capa da revista do The New York Times, em uma reportagem dedicada inteiramente a ele. Com o sucesso, foram realizadas diversas exposições internacionais em todas as maiores capitais europeias. Basquiat morreu de um coquetel de drogas (uma combinação de cocaína e heroína conhecida popularmente como "speedball") em seu estúdio, em 1988. Após sua morte, um filme que levava seu nome foi lançado contando sua biografia, dirigido por Julian Schnabel e com o ator Jeffrey Wright no papel de Basquiat.

Serviço

Jean-Michel Basquiat da Coleção Mugrabi
Curadoria: Pieter Tjabbes.
Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo - Rua Álvares Penteado, 112 - Centro, São Paulo. Telefone (11) 3113-3651.
Quando: De 25/01 a 07/04 de 2018.
Funcionamento: de quarta a segunda, das 9h às 21h.

Visitação com hora agendada
Para evitar filas e agendar a visita à exposição, acesse o site www.eventim.com.br ou app Eventim (Android ou IOS). Também é possível emitir seu ingresso na bilheteria física no CCBB São Paulo.

***
Da Redação.