Documentário ‘Imagens do Estado Novo 1937-45‘, reavalia as contradições da era Vargas - São Paulo São

“Imagens do Estado Novo 1937 – 45”, dirigido por Eduardo Escorel e produzido por Cláudio Kahns, da Tatu Filmes e Brasil 1500, revela um momento político crucial, mas pouco conhecido da história do Brasil. O documentário, que estreia neste março, foi premiado no Festival É Tudo Verdade com Menção Honrosa e no Festival Recine - Festival Internacional de Filmes de Arquivo como Melhor Filme Júri Popular e Melhor Pesquisa.

Constituído por material de arquivo em parte inédito, o filme reavalia a herança do período ditatorial de Getúlio Vargas, a censura, as conspirações subversivas, e as contradições entre o apoio ao nazismo ou aos países aliados, além da participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial. Eduardo Escorel e Claudio Kahns chegaram a esses materiais após pesquisa para os documentários anteriores, “1930 – Tempo da Revolução”, “32 – A Guerra Civil” e 35 – O Assalto Ao Poder”.

“Além da experiência anterior fazendo documentários com imagens de arquivo, o conhecimento acumulado na realização de ‘1930, Tempo de revolução’ e nos documentários seguintes permitiu identificar as principais fontes desse material no Brasil e no exterior. Graças a esse know how, chegamos a imagens inéditas no Brasil, preservadas em Moscou, Berlim e mesmo nos Estados Unidos, entre outros países”, diz Escorel.

 Getúlio Vargas e o presidente Franklin Delano Roosevelt na “Conferência de Natal”(1943). Foto: Divulgação. Getúlio Vargas e o presidente Franklin Delano Roosevelt na “Conferência de Natal”(1943). Foto: Divulgação.

Getúlio Vargas e o presidente Franklin Delano Roosevelt na “Conferência de Natal”(1943). Foto: Divulgação.

Além dos registros oficiais da propaganda do Estado Novo, o documentário utiliza arquivos de cinejornais brasileiros, americanos e alemães, fotografias, cartas, trechos do diário de Getúlio Vargas, filmes de ficção e de família e canções populares, editados dentre mais de 150 horas de material. Através da comparação e análise de materiais tão heterogêneos, “Imagens do Estado Novo 1937 – 45” desvenda a trama política do regime ditatorial do Estado Novo, e os três golpes do período, assunto que adquiriu inesperada atualidade diante do sensível momento da atual política brasileira.

Desfile integralista no Rio em 1938: atentados integralistas deram pretexto ao endurecimento do regime. Foto Divulgação.Desfile integralista no Rio em 1938: atentados integralistas deram pretexto ao endurecimento do regime. Foto Divulgação.

Desfile integralista no Rio em 1938: atentados integralistas deram pretexto ao endurecimento do regime. Foto: Divulgação.

Governo Vargas, instituiu através da constituição de 1934 o voto secreto, o voto feminino e CLT. Foto: Divulgação.Governo Vargas, instituiu através da constituição de 1934 o voto secreto, o voto feminino e CLT. Foto: Divulgação.

Governo Vargas, instituiu através da constituição de 1934 o voto secreto, o voto feminino e CLT. Foto: Divulgação.

“Na realização do filme lidamos com mais de 40 arquivos diferentes advindos de cinematecas no Brasil (brasileira em São Paulo e do MAM no Rio de Janeiro, além do CPDOC da Fundação Getulio Vargas) e no exterior, instituições diversas além de filmes familiares. O papel do pesquisador Antonio Venâncio, responsável pela pesquisa de imagem, foi fundamental. Um dos grandes problemas que tivemos foi converter as imagens que estavam nesses arquivos em baixa resolução, nos mais diferentes formatos, para HD (alta resolução). Muitos filmes tinham sido exibidos nos anos 1940, sendo que parte dos materiais não tinham sido manipulados ou telecinados - passagem da película para vídeo - desde então, diz Claudio.

Getúlio e o irmão, Protásio Vargas, no sítio em São Borja (RS) por volta de 1937: atitude descontraída. Foto: DivulgaçãoGetúlio e o irmão, Protásio Vargas, no sítio em São Borja (RS) por volta de 1937: atitude descontraída. Foto: Divulgação

Getúlio e o irmão, Protásio Vargas, no sítio em São Borja (RS) por volta de 1937: atitude descontraída. Foto: Divulgação.

“Imagens do Estado Novo 1937 – 45”, estreia no dia 15 de março no Espaço Itaú de Cinemas e no Instituto Moreira Salles, em São Paulo e no Rio de Janeiro. Estão programadas também as praças de Porto Alegre e Brasília (a serem confirmadas). 

Documentário: “Imagens do Estado Novo 1937 – 45”

Ficha técnica

Direção: Eduardo Escorel
Produção: Cláudio Kahns.
Roteiro: Flávia Castro e Eduardo Escorel.
Pesquisa de imagem: Antonio Venâncio.
Montagem: Pedro Bronz e Eduardo Escorel.
Editor de Som: João Jabace.
Música: Hermelino Neder e Newton Carneiro.
Empresa Produtora: Brasil 1500.
Produtores associados: Tatu Filmes e Cinefilmes.
Apoio: Univesp, Tv Cultura, Canal Curta.
Duração: 3h47min em duas partes com intervalo.
Trailer: https://youtu.be/2tWTqxwV3AQ

***
Com informações: Tatu Filmes.



-->